Tireoide e gestação

08/08/2019

O nível normal dos  hormônios tireoidianos é essencial para o correto funcionamento de todo nosso organismo. Durante a gestação, é mais importante ainda que esses hormônios estejam em níveis adequados para evitar complicações obstétricas e garantir o desenvolvimento do bebê.

A falta do hormônio tireoidiano, o HIPOTIREOIDISMO, na gravidez pode provocar abortamento, parto prematuro ou prejudicar o desenvolvimento fetal. Mulheres que já tinham hipotireoidismo antes de engravidar  devem procurar seu endocrinologista assim que descobrirem a gestação para avaliar a necessidade de ajuste de dose, já que geralmente é necessário aumentar a dosagem da medicação durante a gravidez.

É comum também mulheres que não tinham hipotireoidismo previamente precisarem tomar o hormônio tireoidiano durante a gestação, já que nesse período os níveis hormonais precisam estar um pouco mais elevados para evitar as complicações acima. Isso ocorre principalmente em mulheres que têm o anticorpo "anti-TPO" (tireoperoxidase) positivo, visto em exame de sangue no início da gravidez. Nesses casos, após o parto a reposição pode não ser mais necessária.

Quem tem HIPERTIREOIDISMO, excesso dos hormônios da tireoide, também deve ser acompanhada de perto pelo endocrinologista durante toda a gravidez, pois níveis hormonais excessivamente  altos podem ser prejudiciais para o bebê - podendo resultar em baixo peso ao nascimento, parto prematuro, malformações fetais, entre outros - e para a mãe - pode provocar abortamento, pré-eclâmpsia, descolamento prematuro de placenta, etc. Nessa fase, também pode ser preciso trocar a medicação em uso dependendo da fase da gestação, pois cada medicamento é mais seguro em um trimestre.

Viram como a tireoide é importante para a gestação correr bem? A boa notícia é  que essas complicações não são comuns e são evitadas se os níveis de hormônios tireoidianos da gestante estiverem adequados.